BrasilDinheiroEconomia

Na CPI do BNDES, Eike Batista diz que banco não teve prejuízo com suas empresas

Em depoimento à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), o empresário Eike Batista disse que o banco público não teve prejuízos ao financiar o grupo EBX, que era comandado pelo empresário.

“Não sei por que repetem isso. O BNDES teve prejuízo zero”, disse.

De acordo com Eike Batista, as empresas dele não tiveram condições diferenciadas nos empréstimos obtidos no BNDES. “Os empréstimos foram importantes e foram pagos com juros, como todo mundo paga, tudo lastreado em garantias, até mesmo meus bens pessoais”.

O empresário relatou que o grupo obteve financiamento de R$ 10 bilhões do BNDES, que foram investidos nas empresas MPX, LX e EMX, sem contar financiamento da empresa de participações acionárias do BNDES (BNDESpar) à MPX.

Segundo Eike Batista, as empresas dele perderam 90% do valor de mercado após investimento sem sucesso na exploração de petróleo.

“Eu arrisquei demais em um negócio altamente arriscado, que é a produção de petróleo. Os campos renderam um terço do esperado, depois que a empresa captou R$ 11 bilhões no exterior”, disse na CPI.

Em agosto, durante audiência na Comissão de Assuntos Econômicos do Senado, o presidente do BNDES, Luciano Coutinho, informou que os empréstimos do banco às empresas de Eike Batista somaram cerca de R$ 6 bilhões – de um total de R$ 10,4 bilhões aprovados pela instituição. À CPI do BNDES, Coutinho disse que o banco não teve prejuízos com os empréstimos concedidos ao empresário.

Batista enfrenta processos por crimes contra o mercado financeiro, manipulação do mercado e uso de informação privilegiada com possível prejuízo aos investidores na venda de ações da OGX (atualmente OGPar).

Navio-plataforma

Eike Batista negou pagamento de propina em troca da contratação de uma das empresas de seu grupo, o OSX, para a construção de navios-plataforma para a Petrobras.

Em depoimento na Operação Lava Jato, Fernando Soares, conhecido como Fernando Baiano, disse que pagou R$ 2 milhões a uma nora do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, a pedido do pecuarista José Carlos Bumlai. Baiano disse que representava a OSX junto à Sete Brasil (empresa contratada pela Petrorbas) e que a propina era referente a este negócio. Baiano é acusado de ser operador do pagamento de propina para empresas contratadas pela Petrobras e agentes políticos.

Batista negou ter feito qualquer negócio por intermédio de Fernando Baiano e ainda ter usado a influência do ex-presidente Lula. Ele também negou ter feito qualquer pagamento a Bumlai.

Segundo o empresário, Fernando Baiano o procurou como representante de uma empresa espanhola interessada em construir navios. “Eu tinha US$ 40 bilhões para investir. Todo mundo me procurava”, declarou.

“Não houve contrato algum da OSX para a construção de navios-plataforma e não faz parte da cultura do grupo pagar esse tipo de comissão”, disse Batista.

Posts relacionados
Economia

Clientes de bancos podem acessar serviços do governo pelo aplicativo

Economia

Novo marco legal do câmbio facilitará adesão do Brasil à OCDE, diz CNI

Brasil

Capital paulista fecha 2020 com mais de 50 mil imóveis novos vendidos

Brasil

UFMG desenvolve vacina contra a covid-19

Assine nossa Newsletter e
mantenha-se informado

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Captcha loading...