AçõesBrasilEconomiaInvestimentos

Tesouro Direto: taxas dos títulos prefixados recuam nesta quarta-feira

SÃO PAULO – As taxas dos títulos públicos prefixados negociados no Tesouro Direto, programa que possibilita a compra e venda de papéis por investidores pessoas físicas por meio da internet, apresentavam queda no início dos negócios desta quarta-feira (22).

As bolsas internacionais se recuperam da queda de ontem, com notícias de que a autoridade de saúde da China anunciou medidas para controlar o coronavírus, doença respiratória que matou nove pessoas e infectou outras 440.

Em dia de poucos indicadores domésticos, as atenções estarão na divulgação dos balanços das empresas nos Estados Unidos e nos dados do setor imobiliário do país.

No Tesouro Direto, o título com retorno prefixado e vencimento em 2022 pagava 4,98% ao ano, ante 5,07% a.a. na abertura de terça-feira (21). O investidor podia aplicar uma quantia mínima de R$ 36,41 (recebendo uma rentabilidade proporcional à aplicação), ou adquirir o título integralmente por R$ 910,35.

O retorno do Tesouro Prefixado 2025, por sua vez, cedia de 6,41% para 6,32% ao ano.

Entre os papéis com rentabilidade atrelada à inflação, as taxas não apresentavam variação. É o caso dos títulos com prazos em 2035 e 2045, cujo retorno permanecia em 3,49% ao ano.

Confira, a seguir, os preços e as taxas dos títulos disponíveis no Tesouro Direto:

Fonte: Tesouro Direto

Baixo risco, liquidez e acessibilidade

O Tesouro Direto é considerado a opção de investimento com o menor risco no Brasil e com ampla acessibilidade, dado o investimento mínimo a partir de R$ 30. Outra vantagem do programa diz respeito à liquidez, com a possibilidade de recompra diária dos títulos públicos pelo Tesouro.

O investidor pode aplicar em títulos públicos diretamente pelo site do Tesouro, se cadastrando primeiro no portal e abrindo uma conta em uma corretora, como a Rico Investimentos, por exemplo, para intermediar as transações. Atualmente, a maior parte das instituições financeiras habilitadas a operar no programa não cobra taxa de administração.

O único custo obrigatório que recai sobre o investimento em títulos públicos pelo Tesouro Direto corresponde à taxa de custódia, de 0,25% ao ano sobre o valor dos títulos, cobrada semestralmente no início dos meses de janeiro e de julho.

Fonte: InfoMoney

Posts relacionados
Economia

Clientes de bancos podem acessar serviços do governo pelo aplicativo

Economia

Novo marco legal do câmbio facilitará adesão do Brasil à OCDE, diz CNI

Brasil

Capital paulista fecha 2020 com mais de 50 mil imóveis novos vendidos

Brasil

UFMG desenvolve vacina contra a covid-19

Assine nossa Newsletter e
mantenha-se informado

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Captcha loading...